Notícias
AMM alerta os municípios neste período com mais medidas sanitárias e restritivas
Publicado em: 29 de junho de 2020
Autor:Agência de Notícias da AMM
Fonte:AMM

A Associação Mato-grossense dos Municípios, tornou a encaminhar aos prefeitos e prefeitas, as  recomendações de medidas sanitárias e de restrição de contatos, devido ao crescimento em escala mais que geométrica do número de pessoas contaminadas e de óbitos, além da  alta taxa de ocupação dos leitos de UTIs, registrados pela Secretaria de Saúde nas últimas semanas.

O presidente da instituição, Neurilan Fraga destacou que diante da ocupação de 90% das Unidades de Terapia Intensivas, é necessário adotar medidas mais restritivas em relação ao distanciamento social, como também sanitária, e mesmo do tratamento farmacológico que deverá ser feito no início da doença, com os kits Covid-19, prescritos pelos médicos que estão na linha de frente nas unidades de saúde. “Não há outra saída, se não endurecermos agora, pelo menos por 15 dias, haverá uma explosão sem precedente de casos de contaminados e mortes em todos os municípios”, alertou.

Na sua avaliação, se nesse momento não há mais leitos de UTIs disponíveis, e também já começa faltar medicamentos, “imaginem daqui algumas semanas, se não tomarmos providências, que evitem a contaminação de mais pessoas”, argumentou. Com a falta de UTIs e a explosão de casos, a todo momento. “Logo teremos municípios classificados como “altíssimos riscos”. E se os gestores municipais não tomarem as medidas recomendadas no Decreto nº 522/2020 do Governo do Estado, entrarão em cena as ações judiciais, determinando o lockdown, prevista na Matriz de Risco”, disse ele.

Fraga ressalta que para enfrentar esta situação, é necessário um trabalho articulado, integrado e efetivo em todos os municípios, com a participação dos poderes, das instituições, entidades de classe, das organizações não governamentais e da própria população. A união dos prefeitos de forma regionalizadas, nesse primeiro momento com o envolvimento do Ministério Público, Defensoria Pública e das Câmaras de Vereadores, será uma estratégia muito eficaz e poderá trazer resultados mais rápidos e satisfatórios.

A meta é conter o avanço da pandemia e evitar o colapso no sistema de saúde, com medidas as preventivas. Sabemos dos esforços de todos os prefeitos. "Alguns estão fazendo, parceria com o governo estadual, com o objetivo de garantir a instalação de novas UTIs. Mesmo assim, além de serem insuficientes, muitas delas levarão algum tempo para entrarem em pleno funcionamento”, observou.

Por meio das recomendações, A AMM está auxiliando os prefeitos, como proceder no enfrentamento da pandemia, para garantir segurança á população. As recomendações são baseadas nas autoridades da área da saúde, como pesquisadores, cientistas e médicos. 

As medidas de caráter preventivos não farmacológicos (sanitárias e de restrição de contatos), para evitar que mais pessoas se contaminem; o uso de medicamentos (kits Covid-19) já na fase inicial da doença, evidentemente com a prescrição médica; a ampliação e implantação de novos leitos de UTIs para o atendimento daqueles que tenham um quadro de saúde mais severamente comprometido, também sobre a orientação médica.

“Por conta disso, solicitamos aos prefeitos que não vacilem, adotem medidas mais restritivas, mais rígidas, com maior grau de controle, com uma fiscalização mais efetiva. É de extrema importância o envolvimento de outras instituições públicas e privadas, além da utilização das mídias sociais, e a divulgação das ações através da imprensa local, para a conscientização da população no combate a pandemia.

As principais recomendações sanitárias e restritivas

o cancelamento de todos os eventos; evitar aglomeração de servidores públicos com a redução da carga horária, estimular o trabalho remoto, liberação daqueles acima de sessenta anos e os que estão em grupos de risco; criação de rotinas para  a higienização; limpeza dos ambientes; restrição de viagens de servidores públicos; orientação para a comunidade sobre as medidas de prevenção; orientação aos profissionais de saúde sobre as medidas mais eficazes e uso dos equipamentos de proteção individual; triagem nas unidades de saúde, para reduzir o tempo de espera no atendimento; a suspensão de cirurgias eletivas; estabelecer horários reduzidos de funcionamento do comércio, de acordo com a natureza dos serviços prestados; intensificar a fiscalização e a obrigatoriedade do uso de máscaras  nos estabelecimentos públicos e privados; manter a suspensão das atividades escolares, até que a comissão especial de educação, defina o  retorno das aulas nas redes pública e privada; instalar barreiras sanitárias nas entradas dos municípios, notadamente daqueles que fazem divisa com outros estados, fiscalização dos meios de transporte particulares, que transportam passageiros entre os municípios, para que sigam o protocolo da Agência de Vigilância Sanitária; realização de testes rápidos junto a população;  os  estabelecimentos públicos e privados devem dar publicidade ás regras e recomendações de biossegurança; utilizar os meios de comunicação e tecnologias de teleatendimento, promover campanhas para orientar a população sobre os cuidados necessários para evitar o contágio; adoção de toque de recolher, se necessário no período noturno; adotar o sistema de lockdown quando os municípios tiverem um cenário de altíssimo risco de contágio.

      

Tags: Covid
Notícias relacionadas
Diário Oficial
Informes Covid-19
Cadastro de Atas
AMM Digital
Municípios
Vídeos
Vídeo institucional da AMM
Curta e Compartilhe nosso conteúdo!
Consórcios Intermunicipais
Novidades